O FUTURO DA HUMANIDE - REFLEXÕES






quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

140-CONQUISTAS FEMININAS...



A mulher conquista sua independência relacionada à reprodução, gradativamente, pela evolução da ciência e do conhecimento... Deu o primeiro grande passo em direção a liberdade, quando livrou-se do jugo da gravidez indesejada, com o advento da “PÍLULA”, há mais de cinquenta anos...

 A mulher já foi considerada, pela ignorância das sociedades patriarcais do passado, imunda e indigna até mesmo de entrar nos templos por causa da natural, porém, desconfortável particularidade fisiológica da menstruação... Também neste caso a tecnologia proporcionou mais uma importante conquista: já não precisa mais passar pelo, outrora, eterno desconforto. A medicina e os controles hormonais modernos, já permitem evitá-la por anos a fora.

No futuro, tenho convicção, outra grande conquista proporcionada pela ciência e a tecnologia acontecerá, a gestação não subjugará mais a mulher por longos nove meses como tem feito nos últimos milhões de anos, causando desconfortos, sofrimentos de todos os tipos, e milhões de mortes para filhos e mães...

Úteros artificiais serão uma opção, possibilitarão a gestação com mais segurança para mães e para filhos; com mais possibilidades de controles, e com mais qualidade; sem o desconforto, o sofrimento e a imobilização da mulher...

O embrião, concebido por métodos naturais, ou não, será colocado em um ambiente gestacional (útero artificial), com, absolutamente, todos os nutrientes úteis, e, livre de todos os nutrientes nocivos. Além das demais  condições necessárias para o desenvolvimento e a formação da vida, em cada etapa de crescimento do feto; temperatura absolutamente correta; sonoridade absolutamente confortável;  informações absolutamente selecionadas e corretas para cada fase do desenvolvimento cognitivo e neurológico, com a pedagogia e os conteúdos das informações para essa época, definidos cientificamente; iluminação, absolutamente, adequada; ambiente totalmente seguro, longe dos acidentes de trânsito, dos barulhos, das balas perdidas, dos tombos, sobressaltos, viagens e doenças físicas e emocionais das mães; monitoração permanente de todos os aspectos da saúde e formação biológica e neurológica; eliminação do trauma do parto para a mãe e para o filho. O bebê não seria retirado violentamente de um ambiente apertado, como se fosse arrancado de uma parte dele mesmo, más, o ambiente gestacional seria retirado do seu entorno, gradativamente sem traumas, violências e sofrimentos...

Pesquisas recentes dão a última tônica sobre o “perfil tradicional” da função maternal, constata que a antiga “premissa” de que a mulher tem que ser mãe para se realizar, é falsa, não passa de mito. Segundo os estudos a mulher moderna se realiza plenamente, tal como o homem, por outras funções e valores inerentes à sociedade.

Assim, seria mãe de qualquer forma, com a vantagem de não passar pelas inconveniências da gestação tradicional...

Antonio Ferreira Rosa.